O 12º Festival Internacional de Artistas de Rua da Bahia teve Ilhéus como palco, entre os dias 8 e 9 de março-foto Gidelzo Silva Secom Ilheus (1)

12º Festival Internacional de Artistas de Rua da Bahia emocionou público ilheense

Com shows circenses, teatro, poesia, dança, artes plásticas e muita música, Ilhéus foi palco do 12º Festival Internacional de Artistas de Rua da Bahia, na última terça e quarta, dias 8 e 9. Crianças, jovens e adultos se encantaram com os mais de 20 artistas, de diversos países, com seus espetáculos. A iniciativa tem apoio financeiro do Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) e, no município, da Prefeitura de Ilhéus, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult).

Artistas internacionais, como Aly Keita Band, com seu afro-jazz instrumental diretamente do Mali-Chade, na África, os mímicos tailandeses do Mute, Acrobacia-Roda Cyr com Pauline Zoe, da Bélgica, o alemão Das Friedel com beatbox, emocionaram o público presente, que fizeram questão de assistir as apresentações no segundo dia de evento. Os ilheenses, Janete Lainha e Luiz Natividade, com o projeto Xilopraças, e o grupo Kydance se apresentaram nos dois dias do Festival.

Os espetáculos aconteceram simultaneamente em seis pontos do Centro da cidade: na Praça Pedro Mattos (Teatro Municipal), Rua Jorge Amado, Rua Dom Pedro II e Rua Marquês de Paranaguá. O Festival conta com direção artística do alemão Bernard M. Snyder, o “homem-banda”, e direção geral e produção de Selma Santos, que fez questão de elogiar a etapa do Festival em Ilhéus e se encantou com a receptividade da cidade e também com o profissionalismo e apoio da equipe da Secult.

O Secretário de Cultura Paulo Atto destaca que “com a realização do Festival, a população ilheense pôde assistir às diversas apresentações de artistas brasileiros e estrangeiros, democratizando o acesso da população às mais variadas manifestações artísticas, de diferentes culturas, e inserindo, com sucesso, o município no roteiro internacional das artes cênicas”, destacou o Secretário.

Já o estudante de teatro Adriano da Silva, 18 anos, ficou encantado com o alemão Das Friedel e seu beatbox. O jovem ainda ressaltou a importância do Festival para a divulgação e valorização da arte de rua. “Esse tipo de evento é de extrema importância, pois nos apresenta a diversos artistas de rua, de diferentes países e, assim, valoriza a arte que é feita nas ruas dentro e fora do país”, destacou Adriano.

O Festival, que já recebeu mais de 100 grupos de artistas em 11 edições, de 36 países, dos cinco continentes, passou por Salvador, no último final de semana, de 4 a 6, e passará por Valença, nos dias 11 e 12 e, encerrando esta 12º edição, em Madre de Deus, no dia 13.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *